esperanças ~

Alan Blair ~
Foto e Poesia: Alan Blair

(com o amigo Alexandre…)

Hoje pousou uma esperança em mim
Subiu pelo meu braço e voou.
Foi então que, por onde ela passou, começou a esperançar.
Virei uma esperança sem limites para voar.

Anúncios

Pedacinhos de sonhos.

Alan Blair ~
Foto e Poesia: Alan Blair

Suguei o vento com a boca e mastiguei, mastiguei, mastiguei.
Fiz bolinha de chiclete com o vento que cresceu, creceu, cresceu.

– Plóc!

Grudou vento no nariz, nos cabelos e nos cílios,
mas aí passou mais vento e levou em pouco tempo,
o meu vento agarrado no meu rosto.

Quem sabe um dia alguém sugue o meu vento, e ao invés de deixar escapar,
engula, engula, engula, para em pouco tempo o meu vento engavetar?

Pôr do Céu ~

Alan Blair ~
Foto e Poesia por: Alan Blair

Montanha virou rocha que virou pedra que virou areia que virou pó e voou com o vento, ao lado de flores que migravam para o norte.
Semente se desprendeu do caule que soltou das folhas e disse adeus a flor.
Pousou no gelo.
Cristalizou.

Feito de curta vida, noite era Montechio e Cappuleto era a manhã, que se complementavam feito manteiga no pão e se
amavam secretamente, sem poder, ao menos, ficarem juntos no mesmo dia.

Foi-se, então, embora a noite, chegando a luz da manhã.
O que era congelado derreteu-se e a semente começou a brotar, florescendo durante o dia e se fechando enquanto chegava a noite.

Até que um dia floresceu e não mais fechou.
Ao mesmo tempo, amanheceu e anoiteceu, escurecendo e clareando, esfriou e aqueceu.

O tempo se esqueceu que era tempo, ocorrendo no mesmo instante Pôr do Sol com Pôr da Lua, transformando-se em Pôr do Céu.

Na aurora da noite/dia, o broto virou flor que virou festa que virou sopro de brilho, e voou…

balança comercial desfavorável.

Alan Blair ~
Foto e Poesia por: Alan Blair

A semente que eu plantei ano passado não foi totalmente desenvolvida. Cresceu torta, mas cresceu. Umas folhas caíram ou voaram para longe. Outras nem sequer apareceram. Já outras, viraram flores.

O projeto ideal era o de minha semente tornar-se árvore de grande copa, de fartos frutos. O processo pode ser até lento, mas vejo que talvez o erro não esteja na minha pequena semente, e sim na terra que sufocou-a.