Roda Viva, roda.

Alan Blair ~

Foto e Texto por: Alan.

Me mudei para debaixo da escada.
As paredes brancas, tenho uma cama e com a falta de bombril, improviso bolinhas de algodão nas pontas da antena da TV, mesmo sabendo que não dará em nada.

Agora eu tenho um peixe vermelho-sangue feito a tinta desta caneta, que bate suas asas, como se voasse, remexendo a calda dentro daqueles aquários redondos. É como pingar corante vermelho na água, dissolvendo bem aos pouquinhos, até ficar um líquido homogêneo.

Ta tudo cheirando a mofo e eu mastigo um caroço de azeitona, com cuidado para não quebrar.

Substituí as fotos antigas por novas, tentando transformar Ouro Preto em Leopoldina. Mas estar aqui, ladeiras e barroco, é tão intenso lúdico e frio que eu me sinto em frases de Caio Fernando Abreu, querendo ser como ele, imundo e brilhante.
Dolorido.

O Caroço se partiu e veio um gosto amargo de dentro, tenho que cuspir na pia da cozinha.

O filete de sangue vermelho batendo as suas asas, nadando para cima e para baixo nesse pequeno espaço de oceano, e vê-lo assim, balançando que nem cetim no ar, ondulando, roda viva, roda, como notas de piano em deserto, em uma introdução de “Beauty Queen”.

Faz um ano.

“Don´t know why she´s in my hand
Can´t figure what it is but I lie again”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s