16:45

Alan Blair ~

Foto e Texto por: Alan.

(“A casa girou ao redor de si mesma duas ou três vezes e ergueu-se lentamente no ar. Dorothy teve a impressão de que estava subindo em um balão”) – “O Mágico de Oz”.

O estômago vazio desde o jantar do dia anterior, salvo apenas pelas sete xícaras de café e quatro bolachas de água e sal desde às oito da manhã do dia de hoje quando acordou com a música alta do vizinho do andar de cima.

Enviou “Boa prova mais tarde. Se quiser passar aqui em casa quando chegar, sei lá, tomar um café, conversar com o Brian, seria bacaninha, AP 401, beijos”.

Varreu a casa
Passou pano no chão
Mudou móveis de lugar
Abriu portas
Olhou a correspondência (essa carta que não chega!)
Repetiu o mesmo cd três vezes
Deitou
Levantou
Deitou
Levantou
Olhou o relógio
Olhou o relógio
Olhou o relógio
Defecou lendo “Ovelhas Negras”
Gozou no box
Rabiscou no vapor do espelho do banheiro
Pés gelados

A hora sem passar cada vez que volta a olhar para o relógio. Aquele fundo ácido no estômago de um maço inteiro de cigarros fumados sem fumar e o pulsar no peito, a mão molhada, sempre molhada.

Três incensos queimados, o pinguim de porcelana da geladeira limpo com Veja, o pulsar do peito, o relógio, mão molhada, vozes distribuídas pelos cômodos da casa.

Tem uma aranha na minha parede tecendo a teia traiçoeira que eu quase sem querer me envolvo, sufoco, enrolando rolando rolando rolando três quatro cinco vezes a teia bem na veia grossa do me pescoço.

16:21
16:22
16:24 – Brian se contorce no aquário.
16:26
16:29 – café.
16:30 – há fé.
16:34
16:35 – Uma nova mensagem na caixa de entrada – Pulsa, Pulsa- SPAM.
16:40
16:45
16:46 – Ter 10 Mar 09
16:48 – “I´m lost but I´m hopefull baby”.

Desconfortável(mente), Brian balança no aquário e eu o acompanho aqui da cama. Latidos perturbadores vindo de fora e até agora nada.

16:52

Nada.

17:05 – O interfone grita. Eu grito junto.

É.
Sim.
Ele chegou.
Ele chegou e leu pra mim:

“- Eu não posso entender por que você deseja sair deste lindo país e voltar para o lugar seco e cinzento que você chama de Kansas.

– Isso é porque você não tem cérebro – respondeu a menina. – Não importa o quanto nossos lares sejam monótonos e cinzentos, nós, pessoas de carne e osso, preferimos morar lá do que em qualquer outro país, por mais bonito que seja. Não existe nenhum lugar como o nosso lar.

O Espantalho suspirou.

– É claro que eu não posso compreender – disse ele. – Se as suas cabeças fossem cheias de palha, como a minha, vocês provavelmente viveriam em lugares lindos, e então não haveria ninguém morando em Kansas. A sorte do Kansas é que vocês têm cérebros.”

(“Apesar do balanço da casa e dos gemidos do vento, Dorothy fechou os olhos e adormeceu profundamente”)

 

Anúncios

2 comentários sobre “16:45

  1. adorável bergamota!
    eu sei que precisamos e temos que conversar.
    já ouvi coisas saborosas sobre você e adoraria fazer parte.

    ando um pouco sem tempo.
    mas, devemos. sim!
    me adicione no seu mundo virtual.
    desde msn…a orkut. hehe.

    um beijo lindo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s