Quarentena

Foto de Rodrigo Ladeira. Texto de Alan Villela

Que fato estranho, essa coisa engasgada e engraçada de não sei bem exatamente o quê e nem bem sei exatamente aonde,
mas que ronda por aqui em algum lugar, feito gato pingado.

Três e quarenta da manhã e o nariz escorrendo a rodo,
a cachorrada lá na rua brigando no cio e essa coisa aqui dentro martelando faz um tempo,
essa coisa que martela,
aqui dentro,
essa coisa que martela,
disparando o alarme da gente,
e eu finjo que não sinto e não escuto,
me fazendo de besta e de burro,

então eu digo pra todo mundo que é alarme falso, não entrem em pânico,
e vou trancando as saídas de emergência novamente,
pra ninguém sair,
pra ninguém entrar.

me fazendo quarentena,

pra ninguém poder sair
e pra ninguém conseguir entrar.

Anúncios

Epifanias

Foto e Texto: Alan Villela

Prego laranja no pé de cacau
Ajeito o colete, acendo o cachimbo e coloco o chapéu.
Jogo bola, sou judeu, meu pescoço é bigodudo,
uso pente sem dente pra maracajá meu buxo.

Vatapá bosta na areia,
pois pimenta na orelha abaeté meu peito canastra.

De boné, chifre e coleira,
um vidro gigante de canela e cheiro de vinagre,
lá eu ia, bahia, hasteando na barriga a minha bandeira pela praia.