Promete que Jura?

Foto: Lis e Alan – Texto: Alan Villela

 

– Tônio, é verdade que amar dói?

– Ai, e eu vou saber? Donde você tirou isso, criatura?

– De um livro de amor!

– Mas você já amou alguém, Chica?

– Ah, Tônio… eu acho que não sei.

– Acha que não sabe?

– É! Acho que não sei!

– Mas como acha que não sabe? Ou você acha, ou você não sabe!

– É que eu não sei se eu sei, então é acho que não sei!

É… faz sentido.

– E você, Tônio?

– Eu o que?

– Você já amou alguém?

– Ai, Chica! Oxe! Eu acho que… também não sei!

– Acha que também não sabe?

– É Chica! Acho que também não sei! Mas você é muito complicada! Diaxo, só sabe fazer pergunta difícil!

– Não é a pergunta que é difícil, Tônio! A resposta que é!

– Mas você também só sabe querer resposta difícil!

– Mas se a resposta fosse fácil, não seria nem preciso perguntar, você não acha?

– É… faz sentido!

– Chica, você acha que dói demais?

– Dói o quê?

– Amar, Chica!

– Ai, depende do tipo de amor!

– Ixe! Mas essa agora? E desde quando amor tem tipo?

– Desde sempre, ora!

– E qual tipo de amor que tem?

– Ah… tem amor de tudo que é tipo… tem de… da… ixe! Mas que você também só sabe fazer pergunta difícil, Tônio!

– Não é a pergunta que é difícil, Chica! É a…

– Eu sei! É a res-pos-ta!

– E você acha que tem remédio, Tônio?

Remédio pra quê?

– Pra dor de amor!

– Oxi! Deve ter! Remédio pra coração, né?

– É! É mesmo! É remédio pra coração! O seu Juca, primo da tia Ritinha, vivia tomando remédio pro coração dele! Só que aí, um dia, deu ataque e ele morreu… de tanto amar! Deve ser tão bonito morrer de amor!

– Ixe, Chica! Vire pra lá essa boca!

– Mas o que é que tem Tônio? Tem tanta gente que morre de coisa feia! Morrer de amor deve ser até feliz, você não acha?

– É… faz sentido!

– Mas você não tem medo não, Chica?

– Medo de quê?

– De morrer!

– Morrer de quê?

– De amor, Chica!

– Ah, Tônio… eu sei não! Me disseram que o seu Juca morreu tão rapidinho que ele nem notou que estava morrendo.  Foi Pá-Pum! O meu medo é de sentir dor. Por isso te perguntei que se amar dói.

– Mas, afinal de contas, pra que você quer saber de tudo isso?

– Ah, Tônio! É que já faz um tempo que eu to querendo te amar, mas eu não quero ficar me doendo!

– Oxi, Chica! É sério?

– É sim!

– Então não se avexe não! Porque outro dia eu vi na telenovela um ator dizendo que “o amor cura tudo!”. Se você me amar, eu vou te amar também. Se teu amor te doer, você fique tranquila que eu pego o meu amor e te curo da dor!

É! Faz sentido! Faz todo sentido, Tônio!

– Mas você promete que vai me amar, Chica?

– Eu prometo!

– Então promete que jura!

Prometo que juro!

– E você? Promete que vai me amar, Tônio?

– Eu prometo!

– Então promete que jura?

– Prometo que juro!